A B c D E F G H

Gestor brasileiro confessa conspiração para cometer fraude financeira, diz Justiça dos EUA

Gestor brasileiro confessa conspiração para cometer fraude financeira, diz Justiça dos EUA
0 
Fundador e ex-sócio da Empiricus, Marcos Elias foi preso na Suíça e depois extraditado para os EUA suspeito de roubar US$ 750 mil de bancos em NY

O gestor e analista do mercado financeiro Marcos Eduardo Elias confessou nesta semana à Justiça dos Estados Unidos ter conspirado para promover fraude para roubar US$ 750 mil de instituições financeiras em Manhattan, segundo comunicado divulgado pelo Departamento de Justiça dos EUA em nome do procurador Geoffrey S. Berman, do Distrito Sul de Nova York. Se condenado, Elias pode ser sentenciado a pena máxima de 30 anos de prisão. Elias também se declarou culpado da acusação de roubo de identidade, cuja pena mínima é de dois anos de detenção.

Fundador e ex-sócio da Empiricus, Elias foi preso em agosto do ano passado na Suíça e, em seguida, extraditado para os EUA sob acusação, em Nova York, por fraude telefônica, fraude eletrônica, receptação de propriedade roubada e roubo de identidade agravada.

Conheça a trajetória de Marcos Elias, gestor financeiro preso suspeito de fraude nos EUASuíça extradita para os EUA brasileiro suspeito de fraude financeira de R$ 3 milhões

Procurado pelo G1, o advogado Yuri Sahione, que representa Marcos Elias no Brasil, disse não ter autorização para comentar sobre o processo em curso nos Estados Unidos, e se comprometeu a contatar a equipe que defende o empresário em Nova York. O G1 aguarda o retorno.

A fraude

De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, desde 2012 uma companhia brasileira mantinha uma conta em uma instituição financeira de Manhattan. Por volta de junho de 2014, Elias teria passado a se corresponder com um vice-presidente dessa instituição, a respeito da conta da companhia brasileira.

Essas correspondências, nas quais Elias se fazia passar por funcionário da companhia brasileira, instruíam o vice-presidente a transferir o dinheiro para uma conta em Luxemburgo, que parecia ser também da empresa. Ainda de acordo com o Departamento de Justiça, a conta em Luxemburgo pertencia a Elias.

Dessa forma, ele teria se apropriado do equivalente a cerca de R$ 3 milhões de correntistas brasileiros com aplicações em bancos norte-americanos.

Crime internacional

Elias foi ouvido na segunda-feira (4) pela juíza distrital Laurra Taylor Swain. Segundo o procurador Geoffrey S, Berman, o brasileiro se declarou culpado pelo crime de conspiração contra as instituições financeiras do país.

O procurador enfatizou que o brasileiro cometeu um crime internacional, já que o fez a partir de uma empresa de fachada no Panamá, uma conta bancária em Luxemburgo e uma identidade roubada de um correntista brasileiro.

Geoffrey destacou perante a juíza ainda que Marcos Elias tentou, sem sucesso, cometer fraude semelhante em outro banco de Manhattan, usando documentos de outro correntista.

O julgamento de Marcos Elias pela Corte Americana está marcado para as 11h (horário de Nova York) do dia 4 de abril.

Trajetória de sucesso antes da prisão

Com extenso currículo na área financeira, Marcos Elias atua no mercado de ações há 25 anos – aos 22 ele já era analista financeiro. Ele está sendo acusado pela Corte americana de roubar US$ 750 mil (cerca de R$ 3 milhões) através de fraudes em bancos americanos usando falsas declarações e identidades roubadas de correntistas brasileiros.

Formado em engenharia mecatrônica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Elias é mestre em Direito pela Fundação Getúlio Vargas e MBA em administração de empresas pela University of Pittsburgh, da Pensilvânia. Por sua trajetória acadêmica e de mercado, era considerado um prodígio.

Elias se gabava por ter ingressado no mercado de trabalho aos 14 anos, como atendente em uma rede de fast food, de onde migrou para um restaurante para trabalhar como garçom.

Considera-se empreendedor desde os 16 anos, quando começou a dar aulas particulares “de matemática, física e química, porque gostava e era muito bom”. Logo depois, passou a dar aulas em cursinho pré-vestibular. Mas sua aventura na docência durou apenas até começar a apostar no mercado de ações.

Vaidoso, Elias se vangloriava por ter acumulado seu primeiro milhão de reais antes dos 30 anos com operações no mercado acionário. Com este perfil, aos 30 anos alcançou o cargo de analista-chefe do banco francês BNP no Brasil.

A projeção como analista do mercado financeiro levou Elias a se tornar gestor de fundos e empreendedor no mercado financeiro. Seu último emprego antes de decolar como empreendedor foi em 2001, no Banco Nacional de Paris.

Sua primeira empreitada foi a Gas Investimentos, criada em 2003. Também criou a Galleas Capital Partners, em 2004. Entre 2005 e 2006, foi sócio da também gestora de fundos Link Investimentos. Em 2009, foi um dos fundadores da Empiricus Research, de onde saiu em litígio em 2012.

var allowInteraction = 1; window.cdaaas.SETTINGS = Object.assign({COMMENTS_ALLOW_INTERACTION: allowInteraction}, window.cdaaas.SETTINGS);

Fonte: G1

TAGS

COMENTÁRIOS

ENCONTRE-NOS:+