A B c D E F G H

Ministério da Saúde decide exonerar diretora de departamento de prevenção ao HIV

Ministério da Saúde decide exonerar diretora de departamento de prevenção ao HIV
10 
Exoneração de médica sanitarista foi criticada por entidade de apoio a pessoas com HIV

O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira (11) que foi determinada a exoneração da diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das ISTs, do HIV e Hepatites Virais, Adele Benzaken. O órgão é responsável por traçar as políticas públicas e campanhas contra as infecções sexualmente transmissíveis.

A demissão ainda não foi publicada no "Diário Oficial da União", e não há previsão de quando o nome do substituto de Benzaken será anunciado. No entanto, segundo o ministério, fica no cargo um dos atuais coordenadores do órgão, Gerson Pereira.

Até a nova nomeação, a política de combate às ISTs e ao HIV não sofrerá alterações, informou a pasta.

Demissão criticada

A exoneração de Benzaken recebeu críticas de entidades de apoio à prevenção do HIV no Brasil, que enviaram ofícios ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para que mantivesse a ex-diretora no cargo.

Em nota, o Fórum das ONG/Aids do Estado de São Paulo (Foaesp) argumentou que o trabalho de Benzaken no governo difundiu "sem ofender as famílias" a importância do tratamento antirretroviral pelas pessoas vivendo com HIV.

"O HIV não é somente um tema de saúde, é também um tema social. É necessário enfrentar o preconceito e a discriminação que sofrem as PVHA e as populações mais vulneráveis ao HIV", diz a nota.

Adele Benzaken é médica sanitarista graduada pela Universidade Federal do Amazonas e com doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Ela também integrou o "Painel de Especialistas em DST, incluindo o HIV" da Organização Mundial de Saúde (OMS) de dezembro de 2008 a julho de 2013.

Em 2018, o Brasil registrou uma redução de 16% no número de detecções de Aids – doença causada pelo HIV – nos últimos seis anos, segundo o Boletim Epidemiológico divulgado em novembro pelo Ministério da Saúde.

Na época, o ministério apontou que a ampliação do acesso à testagem e a redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento são razões para a queda. O diagnóstico precoce é importante para que a pessoa com o vírus HIV não desenvolva Aids e controle o vírus no organismo com os remédios disponíveis.

var allowInteraction = 1; window.cdaaas.SETTINGS = Object.assign({COMMENTS_ALLOW_INTERACTION: allowInteraction}, window.cdaaas.SETTINGS);

Fonte: G1

TAGS

COMENTÁRIOS

ENCONTRE-NOS:+